CONHEÇA A ESTILISTA DE MARIA ANTONIETA QUE REVOLUCIONOU O SÉCULO XVIII


Quem foi a estilista de Maria Antonieta?

Rose Bertin, mais conhecida como a costureira oficial da Rainha Maria Antonieta, foi a primeira estilista de moda francesa,  e é amplamente creditada por inserir a alta costura à frente da cultura popular.

Maria Antonieta foi apresentada a Bertin em 1772. Desde então se reuniam  duas vezes por semana, logo após a coroação de Luís XVI (seu marido) , Bertin apresentaria suas novas criações à jovem rainha e passariam horas discutindo sobre elas. A rainha adorava seu guarda-roupa e era apaixonada por todos os detalhes, e Bertin, como seu braço direito, tornou-se sua confidente e amiga.

Em meados do século XVIII, as mulheres francesas começaram a levantar seus cabelos com almofadas e pomadas e vestiam vestidos de luxo de grandes dimensões. Bertin usou e exagerou dessa tendência em diversos looks para Maria Antonieta com alturas de até três pés. A moda de levantar os cabelos alcançou extremos que se tornou uma marca registrada do período, além de decorar o cabelo com ornamentos e objetos que representavam alguns eventos do momento.

Rose se dedicou a Rainha Maria Antonieta quase que exclusivamente, mas a sua maior importância vem da riqueza de detalhes e originalidade do seu trabalho.

Chamado de "Ministro da Moda", Bertin, foi o cérebro por trás de quase todos os novos vestidos encomendados pela rainha. Vestidos e cabelos tornaram-se veículos pessoais de Maria Antonieta de expressão, e Bertin a vestiu de 1770 até seu destronamento em 1792.

Bertin se tornou uma figura poderosa na corte e testemunhou - e às vezes efetuou - mudanças profundas na sociedade francesa. Seus vestidos grandes e de grande ostentação,  garantiram que sua portadora ocupasse pelo menos três vezes mais espaço do que sua contraparte masculina, tornando a figura feminina uma presença imponente e não passiva. Suas criações também estabeleceram a França como o centro da indústria da moda e, a partir de então, os vestidos feitos em Paris foram enviados para Londres, Veneza, Viena, São  Petersburgo e Constantinopla. Essa inimitável elegância parisiense estabeleceu a reputação mundial de alta costura francesa.

“(…) elegeu Rose Bertin como a primeira estilista no mundo, em finais do século XVIII. A costureira era responsável pelas mudanças de guarda-roupa da rainha francesa Maria Antonieta, célebre pela vaidade, extravagância e gosto por grandes festas. Seu sucesso se espalhou e aos poucos Bertin começou a exercer ampla e reconhecida influência sobre o modo de vestir das mulheres das classes mais altas. Mas, como bem observa Gumbrecht, Bertin atendia a uma cliente e não produzia para um mercado, além de não ter uma produtividade intensa de novas criações, num ritmo próximo ao que se poderia se considerar propriamente moda”. – Renata Pitombo “Os Sentidos da Moda”

 

Font: Life, Style, Decor and Fashion; Wikipédia