Roupa de trabalho: o que usar de acordo com o nível de informalidade do seu escritório


No ambiente de trabalho informal vale observar como seus colegas se vestem lembrando que cargos de chefia sempre resultam em um looks mais formalizados – mesmo que sem exageros. "O exercício de se vestir tem que ser pensado, pois estamos sempre sendo avaliados pelo nosso interlocutor. Mesmo não tendo a chance de falar com palavras, estamos sempre nos expressando na forma que nos vestimos", explica Julia Bernardino, consultora de imagem e RH.
Para ajudar a solucionar suas dúvidas na hora de montar o look, Gloria Kalil lista dois níveis de informalidade e o que se adequa melhor para cada uma delas.

NÍVEL 1 - O INFORMAL MÍNIMO

Algumas áreas como as das indústrias, saúde, turismo, educação e relações públicas ainda pedem certa formalidade, mesmo dentro do informal. Dá para abrir mão da calça social, usar jeans, camisas, blazers e equilibrar o visual mais cool com sapatos de saltos.

NÍVEL 2 - O INFORMAL MÁXIMO

Se você faz parte do time da comunicação, das agências de publicidade e arte, por exemplo, sabe que pode se soltar um pouco mais e levar seu estilo pessoal (ainda mais em conta) na hora de escolher o que vestir para o trabalho. Aqui entra tudo, desde que não fuja do bom senso das regrinhas abaixo, que valem para todo mundo.

Como regra geral do dress code informal não cabe nunca (e em nenhum ambiente de trabalho):
1. Look brechó total ou peças muito étnicas: em excesso fica com ar de fantasia mesmo. Dá para manter o estilo, mas todo mundo tem que passar aquela credibilidade, certo?
2. Peças que mostram a lingerie: calça justa ou transparente demais, um decote inapropriado...
3. Barriga, cofrinho e lombinho de fora - teste sempre em casa.
4. Fendas exuberantes demais e costas nuas.
5. Um look muito balada (principalmente às sextas-feiras, daquele que você sai do trabalho direto para a festa noite adentro).

Créditos: Chic Glória Kalil